sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Luto




Luto


Abre o olho, vó!
Abre o olho.
E ela nada.
Imóvel sobre as flores
Como um sonho
De Morfeu virado.
Sob as pálpebras
A ultima visão:

A casa com cinco crianças
E como no tangolomango só sobraram duas.
A quebra do resguardo
As brigas de facão
Com o primo
- Também marido -
E a separação.
As duas crianças pelo mundo,
Os ossinhos na prateleira
O besouro no ouvido
E o zumbido.

Um dia vai morar com uma das crianças
E sonha
Em ter casa de novo
E sonha
Com os parentes, os antigos, de quando ajudou o soldado Elias a prender um bandido – mesmo que ninguém se lembre.
Com as historias, os causos, a menina do surrão, a onça e o bode.
Todas estas coisas estariam guardadas
Para sempre.

Abre os olhos, vó!
E as lagrimas corriam geladas como a pele da vó.
Pele de nuvem.
A professora disse do que as nuvens eram feitas
- Cristais de gelo.
E ela não abria os olhos
Estelita, como a chamavam desde o primeiro dos seus 72 anos,
Tinha ganhado o céu como previa o nome.
Não ouvia os choros, os gemidos dos parentes reunidos por sua causa.
Não ouvia nada.
- Acorda, vó! – disse em prantos,
Mas era tarde e as estrelinhas já apareciam no céu.

Dia 09/10/2009 meu amor de avó, Estelita Maria de Jesus, se uniu ao resto do próprio nome.

Por Claudia Gomes

4 comentários:

Poesia aos gritos disse...

'brigada, Lia. Acho que ela ia gostar de ver isso, só não ia entender nada. :D
Beijinhos!!

Lia Noronha disse...

Claudia: as vovós...sempre entendem através do coração...qualquer expressão sincera...Bjus e obrigada por sempre me visitar.

Sil.. disse...

Meu Deus, não tive como não me emocionar aqui...lembrei da minha vó, que esta tbm no céu. Uma das estrelas de Deus que iluminam a minha vida, cada vez que olho pra cima e vejo uma estrela brilhante, mesmo que não tenha estrelas no céu.
Eu vejo com os olhos da minha alma.
Só quem ama enxerga.
Lia, voce conseguiu me emocionar tanto. Que amor...nunca perca isso, essas lembranças...e acredito que um dia...a gente vai tocar nossas estrelas que são nossas avós pessoalmente.
E haja tanta abraço.

Lia Noronha disse...

Sil: vc bem sabe o qto nossas avós nos motivaram a ouvir e contar historias..por isso são homenageadas..sempre por nós.
bjus e obrigada pela visita.